Engenheiro de Computação: o que faz, quanto ganha e formação

O Engenheiro de Computação é o profissional que atua na construção de hardwares e softwares tecnológicos, trabalhando tanto na parte externa quanto interna dos aparelhos.

O Engenheiro de Computação é responsável pelo desenvolvimento, planejamento e implementação de softwares e hardwares. Nesse sentido, atua tanto na criação de novas tecnologias quanto na manutenção da rede de computadores, cobrindo diferentes pontas do processo tecnológico envolvendo aparelhos digitais.

No geral, o hardware refere-se à estrutura física do computador, como teclado, monitor e CPU, por exemplo. Em contrapartida, o software é a parte interna, o que faz com o que o computador funcione corretamente, como os sistemas operacionais, programas e aplicativos.

Portanto, o Engenheiro de Computação é responsável pelos sistemas e pela integração entre a parte física e digital dos equipamentos. Ademais, essa profissão é uma interseção entre Ciências da Computação e Engenharia Eletrônica, pois utiliza conhecimentos de ambas áreas.

No geral, estima-se que a Engenharia de Computação surgiu em 1939, nos Estados Unidos, a partir da união entre a Física, Matemática e Engenharia Elétrica no desenvolvimento do primeiro computador digital eletrônico do mundo. Porém, somente em 1972 essa área tornou-se uma profissão, surgindo assim os primeiros cursos nas Universidades do mundo.

Quais são as atividades do Engenheiro de Computação?

No geral, as atividades rotineiras do Engenheiro de Computação variam de acordo com a área de atuação, assim como o cargo que ocupa dentro da hierarquia. Porém, existem funções comuns, como:

  • Fabricação de hardware: nessa atividade, o Engenheiro de Computação trabalha na projeção e desenvolvimento de equipamentos tecnológicos diversos, desde os próprios computadores até dispositivos móveis;
  • Desenvolvimento de softwares: ainda que não seja a área de foco, os profissionais dessa área possuem conhecimento sobre criação de sistemas, aplicativos, jogos, plataformas e outras tecnologias;
  • Suporte técnico: como possuem conhecimento na fabricação dos aparelhos tecnológicos, os Engenheiros de Computação prestam suporte técnico em diferentes setores, pois conseguem trabalhar tanto com a estrutura física quanto com o sistema dos dispositivos;
  • Gerenciamento de redes de computadores: nessa função, o Engenheiro de Computação é responsável pela integração dos aparelhos disponíveis, sendo responsável pelo funcionamento, segurança e atualização de uma rede de computadores que pode variar em tamanho.

Além das funções tradicionais, as atividades do Engenheiro de Computação estão em expansão, na medida em que as inovações tecnológicas modificam o mercado. Desse modo, é possível trabalhar com:

  • Ciência de Dados: com a expansão do mercado de dados, os profissionais de computação podem trabalhar também com a rede de dados, buscando implementar esquemas de organização, segurança e análise de dados nas empresas;
  • Robótica: outra área em desenvolvimento, a robótica é uma função em potencial para os profissionais focados na fabricação de hardware, podendo ir além dos computadores e dispositivos móveis para desenvolver novas tecnologias industriais;
  • Inteligência Artificial: o Engenheiro de Computação pode trabalhar no desenvolvimento de Inteligências Artificiais através de computadores, assim como implementar essas tecnologias em diferentes dispositivos.

Qual é o perfil do Engenheiro de Computação?

A princípio, o Engenheiro de Computação consegue esse título através do bacharelado em Engenharia da Computação. No geral, as Universidades oferecem essa graduação em um período de cinco anos, pois existe uma carga prática mais extensa.

Desse modo, algumas instituições de ensino oferecem aos estudantes a possibilidade de aprofundar seus conhecimentos partindo para uma grade mais específica, tendo em vista a amplitude de possibilidades.

Ainda existe a possibilidade de cursos de especialização e pós-graduação para ir além do escopo da graduação, sendo possível fazer o caminho contrário, ao partir da Engenharia Geral para a Engenharia da Computação.

Como uma área do campo das Ciências Exatas, a Engenharia da Computação exige de seus profissionais um conhecimento e domínio sobre números, principalmente pela carga de cálculos matemáticos e estatística ao longo da graduação, mas também no cotidiano profissional.

Consequentemente, o raciocínio lógico é fundamental para conseguir lidar com os sistemas e a solução de problemas que envolvem o trabalho tecnológico.

Ademais, o raciocínio lógico é fundamental para analisar dados, atender demandas e objetivos de curto-prazo. Associado ao raciocínio lógico, a tranquilidade, calma, equilíbrio e capacidade de lidar com situações de pressão ajudam o Engenheiro de Computação na rotina, principalmente por lidar com máquinas e suas particularidades.

Ainda que seja um curso longo, e de aprofundamento prático, o Engenheiro de Computação precisa se manter atualizado nas inovações tecnológicas, pois parte de seu trabalho envolve atualizar sistemas ultrapassados.

Portanto, dominar técnicas e estar aprendendo constantemente permitem que esse profissional se mantenha competitivo e valoroso.

Como é o mercado de trabalho?

Segundo o portal Salário, o Engenheiro de Computação ganha em média R$ 7.312,49 para uma jornada de trabalho de 41 horas semanais. Desse modo, a faixa salarial varia entre R$ 6.500 e R$ 15.467,09 dentro do regime de CLT no Brasil.

Como polo tecnológico do país, São Paulo é o estado com maior demanda desses profissionais. No entanto, Minas Gerais e o Ceará também apresentam altos índices de contratação para essa área.

Em decorrência da digitalização causada pela pandemia de COVID-19, estima-se que entre fevereiro de 2021 e janeiro de 2022 houve um aumento de 23,81% nas contratações de Engenheiros de Computação, com carteira assinada e em regime integral de trabalho, segundo dados do eSocial.

Sendo assim, é uma profissão com alta demanda atualmente, apresentando diversas possibilidades de carreira.

Leia também

você pode gostar também

Digitador: o que faz, quanto ganha e requisitos mínimos para o cargo

Saiba o que faz um digitador, quanto ganha esse profissional e quais são os requisitos exigidos para o cargo.

Recepcionista: o que faz, salário médio e nível escolar

Recepcionista é o profissional responsável pelo atendimento aos clientes de uma empresa ou o público em geral.

Técnico Bancário: o que faz, quais os requisitos e quanto ganha

O Técnico Bancário é o profissional responsável pelas atividades técnico-administrativas das instituições financeiras, cobrindo desde a parte burocrática até o atendimento.

Auditor da Receita Federal: o que faz, quanto ganha e requisitos mínimos

O Auditor da Receita Federal é responsável pela fiscalização do cumprimento dos direitos previstos nos códigos trabalhistas e fiscais no Brasil.

Auxiliar de Serviços Gerais: o que faz, quanto ganha e requisitos mínimos

O Auxiliar de Serviços Gerais atua em diversas funções relacionadas à manutenção, organização e limpeza. Saiba mais detalhes sobre o cargo.

Escriturário: quanto ganha, o que faz, nível escolar e outros critérios

Com salários de até R$ 2.300,00, a função de Escriturário é muito comum em agências bancárias. Conheça mais sobre o cargo.