Afinal de contas, qual é a melhor maneira de quitar seu IPVA 2022?

O pagamento do IPVA pode ser feito em parcela única ou dividido ao longo dos meses. A escolha depende do planejamento financeiro do condutor.

O Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) é uma taxa que deve ser pago anualmente para quem tem algum automóvel registrado no seu nome. A cobrança é feita no início do ano e pode ser paga de duas formas: toda de uma vez ou em parcelas. Cabe a cada condutor ver qual é a forma de quitar o IPVA que cabe no seu bolso.

Qual é a melhor forma de quitar o IPVA 2022

Primeiramente, é preciso saber que donos de veículos 0 km possuem desconto de 3% até o quinto dia após a emissão da nota fiscal. Isso se o pagamento for feito a vista. Já quem quiser parcelar, fica sem a redução do valor. Para os demais, é possível quitar o IPVA:

  • em cota única no mês de janeiro, contando com desconto de 9%;
  • em cota única no mês de fevereiro, contando com desconto de 5%;
  • parcelando em cinco vezes, com desconto de 5% dependendo do final da placa.

A escolha do formato do pagamento varia de acordo com o planejamento financeiro de cada um. Quem se organizou ao longo de 2021 e possui o dinheiro guardado para o imposto deve dar preferência para a quitação à vista.

Nesse caso, é importante ter certeza de que o abatimento dos valores não vai prejudicar outros compromissos e contas que você tenha. Já para aqueles que não têm a quantia inteira, é recomendado o parcelamento.

Contudo, é preciso ter muita atenção na hora de quitar o IPVA ao longo dos meses. É preciso verificar como o número e o valor das parcelas vai influenciar no seu orçamento mensal. É aconselhável que você contabilize seus gastos fixos mais as cotas do imposto para decidir se vai dividir em mais ou em menos vezes.

O que acontece se eu não quitar o IPVA?

Existem algumas punições para os condutores que não arcarem com a taxa. É cobrada uma multa de 0,33% por dia de atraso mais juros de mora. Se você atrasar mais de 60 dias, o percentual sobre para 20%. As outras consequências do não pagamento do IPVA são:

  • Nome inscrito na dívida ativa: o contribuinte terá seu CPF restrito pelos órgãos de proteção ao crédito;
  • Apreensão do veículo: ao não quitar o IPVA, o condutor negativado não pode fazer licenciamento. Sendo assim, os documentos não são validados e o Detran pode apreender o automóvel.

Vale ressaltar que, em alguns estados, existem regras para isenção do imposto. Isso significa que aqueles que se encaixarem nos critérios não precisam arcar com o custo anual.

Leia também

você pode gostar também