Terapeuta Ocupacional: o que faz, requisitos e salário

Conheça as principais atividades de um Terapeuta Ocupacional, bem como o valor do salário médio desse profissional e as principais exigências para se tornar um.

Para muitas pessoas, realizar tarefas corriqueiras como tomar banho, vestir uma peça de roupa ou até preparar o café pela manhã, pode ser um baita desafio, seja por causa das dificuldades intelectuais ou motoras. Já outras necessitam de um acompanhamento constante no processo de aprendizagem ou em atividades de recreação. E diante desse contexto, surge a necessidade do trabalho do Terapeuta Ocupacional.

continua depois da publicidade

Continue a leitura dessa matéria que vai te mostrar as responsabilidades desse profissional, a sua média de ganhos mensais e os principais requisitos para se tornar um Terapeuta Ocupacional de sucesso. Confira.

O que faz um Terapeuta Ocupacional?

Podemos dizer que as principais responsabilidades desse profissional se resumem à prestação de assistência qualificada aos pacientes que necessitam de auxílio em suas atividades básicas sensoriais, motoras e cognitivas, no dia a dia.

Leia também

Por exemplo, indivíduos que têm dificuldade de aprendizado, vítimas de traumas causados por acidentes, pessoas portadoras de doenças degenerativas ou qualquer tipo de desordem psicomotora, sejam idosos, adultos, jovens e até mesmo crianças, fazem parte do público-alvo do Terapeuta Ocupacional.

continua depois da publicidade

As atividades desse profissional incluem a ajuda na higiene pessoal, integração social, lazer, aprendizado artístico, prática de esportes e produtividade. O Terapeuta Ocupacional precisa fazer com que todos os objetivos dos pacientes sejam alcançados, no que tange as ocupações humanas, nas quais ele deve ser um conhecedor.

Em seu trabalho com crianças, por exemplo, ele apresenta atividades lúdicas que ajudam a desenvolver as habilidades sensoriais, motoras e neurológicas, sempre de acordo com as demandas de cada uma. Em caso de vítimas de acidentes que tiveram um membro amputado, o Terapeuta Ocupacional as auxiliam a se adaptarem à nova realidade e a superar os desafios dessa nova condição.

continua depois da publicidade

No caso de pessoas que sofrem de ansiedade, fobias, síndrome do pânico ou depressão, esse profissional precisa elaborar dinâmicas específicas que possam despertar o senso de propósito e aumentar a autoestima das mesmas.

Quanto ganha esse profissional?

O salário de um Terapeuta Ocupacional pode variar bastante. Tudo vai depender da sua demanda de trabalho ao longo do mês, da experiência nessa função, da especialidade, da empresa contratante, dos resultados já comprovados na carreira e, claro, das competências desse profissional.

Por via de regra, o valor médio gira em torno de R$ 3,1 mil por mês. Mas é possível faturar até R$ 4 mil mensais, levando-se em consideração todas as variáveis citadas acima.

continua depois da publicidade

Vale lembrar que a maioria dos Terapeutas Ocupacionais trabalha de forma autônoma. Aqueles que possuem vários anos de experiência nessa área conseguem facilmente ganhar até R$ 5 mil por mês, dependendo do número de atendimentos realizados.

Qual a formação acadêmica exigida?

Está pensando seriamente em se tornar um Terapeuta Ocupacional? Então, você vai precisar concluir a graduação em Terapia Ocupacional em qualquer universidade que ofereça esse curso (que tem duração de quatro anos) e que seja credenciada pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC).

Caso queira ter um maior destaque na carreira, você pode se especializar ainda mais nessa profissão e investir em uma pós-graduação, mestrado e até doutorado, dependendo das suas condições. Quanto maior for a sua bagagem intelectual nessa área, maiores poderão ser as chances de ter um alto rendimento mensal. Afinal, muitas empresas preferem contratar especialistas, certo?

Como está o mercado de trabalho para o Terapeuta Ocupacional?

A expectativa de vida no Brasil aumentou de alguns anos para cá. E isso sugere que, nas próximas décadas, o número de idosos deverá ser ainda maior. E esse envelhecimento gradual da nossa população abre um leque de opções de trabalho para o Terapeuta Ocupacional.

Esse profissional pode encontrar trabalho em clínicas de reabilitação, asilos, hospitais, centros de saúde, creches, ambulatórios, casas de repouso, escolas (públicas e particulares), penitenciárias e até em projetos sociais. É um mercado de trabalho fértil que apresenta uma tendência de crescimento daqui a alguns anos.

A vantagem é que, como muitos profissionais são autônomos, é possível trabalhar prestando serviços em vários locais, durante algumas horas por dia. E isso se traduz na aquisição de uma maior experiência na área, seja trabalhando com crianças, idosos ou adultos.

Principais competências

Está convencido de que se tornar um Terapeuta Ocupacional pode ser uma boa opção para você? Se realmente tiver afinidade com esse ramo e estiver disposto a estudar bastante, é recomendado que se tenha as seguintes habilidades:

  • Empatia;
  • Gostar e querer ajudar ao próximo;
  • Se atualizar constantemente em sua área de atuação;
  • Capacidade de realizar ações em saúde;
  • Perspectiva interdisciplinar;
  • Criatividade;
  • Paciência;
  • Empatia;
  • Gostar e querer ajudar ao próximo;
  • Se atualizar constantemente em sua área de atuação;
  • Capacidade de realizar ações em saúde;
  • Perspectiva interdisciplinar;
  • Criatividade;
  • Paciência;
  • Saber lidar com pessoas com os mais variados problemas de saúde;
  • Bom equilíbrio emocional;
  • Escuta ativa;
  • Priorizar o coletivo e o social;
  • Conhecimento da política da sua área de atuação;
  • Ser um bom observador;
  • Disposição física;
  • Facilidade para trabalhar em equipe;
  • Sinergia;
  • Postura ética;
  • Tranquilidade;
  • Boa comunicação;
  • Habilidade para solucionar problemas;
  • Formação crítica e reflexiva;
  • Maturidade profissional;
  • Flexibilidade;
  • Capacidade de acolhimento;
  • Saber lidar com imprevistos;
  • Disponibilidade de agenda.

Se você ainda não possui todas as qualidades citadas acima, fique tranquilo. É possível desenvolvê-las durante o contato diário com a profissão, no dia a dia. O essencial é que o seu trabalho agregue valor na vida dos pacientes e traga resultados concretos para eles. Faça a diferença e boa sorte.

Leia também

Concursos em sua
cidade