Afinal, união estável garante o benefício de pensão por morte?

O número de casais que têm optado pela união estável no Brasil vem aumentando muito. Veja se essa relação garante benefício de pensão por morte.

De acordo com a legislação brasileira, a união estável é constituída por duas pessoas em um relacionamento de convivência pública, contínua e duradoura, objetivando construir uma família. Esse tipo de relacionamento teve aumento de 57% entre os anos de 2011 e 2015. Confira, a seguir, se a união estável garante pensão por morte e outros benefícios.

Mesmo que não seja realizado o casamento, um par em união estável garante benefícios junto ao Instituto Nacional do Seguro Social. Na modalidade, diferente do casamento, o vínculo não é formal e surge a partir da própria informalidade.

União estável garante pensão por morte?

União estável pensão por morte, quem recebe pensão por morte
Foto: montagem / Pexels – Canva PRO

Sim. Uma união estável entre duas pessoas pode garantir direitos do INSS, como a pensão por morte. Esse é um benefício do Regime Geral da Previdência Social (RGPS), pago pelo INSS aos dependentes do segurado que veio a óbito ou teve sua morte declarada pela Justiça.

Os dependentes do segurado falecido são divididos em três modalidades, sucessivamente em ordem de preferência:

  1. Cônjuge, companheiro(a), filho não emancipado, menor de 21 anos ou inválido;
  2. Pais;
  3. Irmão que não seja emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido.

Para ter direito à pensão por morte no caso da união estável, é necessário: que o companheiro falecido fosse segurado do INSS no momento do óbito; e que esteja caracterizada a união estável entre o casal no momento do óbito.

Para requerer a pensão por morte, o INSS solicita pelo menos três dos seguintes documentos:

  • Declaração de Imposto de Renda do segurado, onde consta o interessado como seu dependente;
  • Certidão de Nascimento do filho do casal;
  • Certidão de Casamento Religioso;
  • Testamento;
  • Procuração ou fiança recíproca;
  • Documentos relacionados aos encargos domésticos que comprovem existência de sociedade ou comunhão nos atos da vida civil;
  • Conta conjunta;
  • Registro em alguma associação, constando o interessado como dependente do segurado;
  • Apólice de seguro onde a pessoa interessada seja uma beneficiária;
  • Ficha em alguma instituição médica onde conste o segurado como responsável;
  • Documento comprovando compra e venda de imóvel pelo segurado em nome do dependente.

O que configura uma união estável?

União estável não é apenas aquela onde houve formalização no cartório, pois pode ser reconhecida de diferentes maneiras. Para ter acesso à pensão por morte do companheiro falecido, será preciso comprovar essa relação.

Se ela não tiver sido registrada legalmente, há outras maneiras de comprovação:

  • Conta conjunta ou cartão de crédito adicional;
  • Certidão de nascimento de filhos, se houver algum em comum;
  • Apólice de seguro;
  • Prova de mesmo domicílio;
  • Prova de encargos domésticos;
  • Certidão de casamento religioso;
  • Declaração de imposto de renda, se tiver o outro como dependente;
  • Fotos em redes sociais;
  • Divisão de contas em serviços de streaming;
  • Testemunhas que convivem com o casal.

Nos casos dos casais onde houve uma união estável, mas não estavam mais juntos quando o óbito ocorreu, será importante a contratação de um advogado para que o caso seja analisado.

Como solicitar a pensão por morte?

O dinheiro é disponibilizado diretamente na conta dos beneficiários. Contudo, o repasse não é realizado de maneira automática após a morte do segurado. Os dependentes devem solicitar os pagamentos junto ao portal Meu INSS. Confira o passo a passo para solicitar a pensão por morte:

  1. Primeiro, faça login no site ou no aplicativo Meu INSS com o usuário e senha cadastrados no Gov.BR;
  2. Depois, clique na opção “Agendamentos/Requerimentos” e depois selecione a opção “Novo requerimento”;
  3. Em seguida, clique na opção “Atualizar” para conferir e modificar os dados pertinentes. Depois clique em “Avançar”;
  4. No campo de pesquisa, escreva a palavra “pensão” e selecione o benefício que deseja solicitar.

Caso seja necessário, o INSS vai solicitar a necessidade de apresentação de documentação comprobatória e/ou atendimento na modalidade presencial.

Leia também


você pode gostar também

Desconto no IPVA será liberado para ESTES carros

Carros elétricos e híbridos terão descontos no IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). Saiba os detalhes.

Inscritos no Auxílio Brasil podem acumular R$ 1,2 MIL em benefícios

Os beneficiários do Auxílio Brasil podem acumular benefícios complementares, sendo que o valor pode chegar a R$ 1.220. Saiba os detalhes.

Próximo abono PIS já tem regras definidas; veja quem deverá receber

O abono PIS/Pasep de 2021 está previsto para ser pago somente em 2023, mas as regras para o recebimento do benefício trabalhista foram fixadas pelo Ministério do Trabalho.

Auxílio de R$ 800 será liberado no calendário de outubro? Veja o que se sabe

Hoje, o benefício paga parcelas mensais de R$ 600 para quem cumpre com os requisitos. Veja o que se sabe sobre o Auxílio Brasil de R$ 800.

Outubro terá NOVO saque FGTS com valores que podem superar R$ 3,9 MIL

Trabalhadores formais poderão fazer saque FGTS de até 50% do saldo no mês de outubro. Os valores devem ser solicitados por aplicativo.

Quem pode pedir a bolada do Abono PIS/Pasep retroativo?

Trabalhadores podem ter direito a sacar bolada do abono PIS/Pasep retroativo. Veja como fazer a consulta dos valores.