525 milhões de anos: cientistas estudam o cérebro fossilizado mais antigo do mundo

O cérebro mais antigo conhecido pertence a uma criatura marinha de aproximadamente 1,5 cm de comprimento, que apresenta um sistema nervoso delicadamente preservado.

O cérebro de uma pequena criatura marinha que viveu há 525 milhões de anos pode ser o mais antigo já identificado. A descoberta, relatada na revista ‘Science‘, pode mudar o que se pensava ser conhecido sobre a evolução do cérebro em animais invertebrados.

Em suma, o fóssil pertence a um grupo de criaturas com tentáculos que viviam dentro de tubos rígidos. Até agora apenas os tubos haviam sido observados em detalhes, mas o novo espécime mostra claramente as partes moles do organismo que incluem tentáculos para alimentação.

Cardiodictyon catenulum

O fóssil Cardiodictyon catenulum, com menos de 1,5 centímetro de comprimento, foi descoberto em 1984, preservado em rochas na província de Yunnan, no sul da China. Contudo, os cientistas não haviam percebido até agora que ele escondia um sistema nervoso delicadamente preservado, incluindo o cérebro.

Cardiodictyon pertencia a um grupo extinto de animais conhecidos como lobopódios encouraçados, abundantes no início do período Cambriano; quando praticamente todas as linhagens animais que conhecemos hoje surgiram em um período de tempo extremamente curto, entre 540 e 500 milhões de anos.

De onde vem essa espécie?

Os lobópodes provavelmente se moviam no fundo do mar usando vários pares de pernas lisas e atarracadas sem articulações. Seus parentes vivos mais próximos são os vermes aveludados que vivem principalmente na Austrália, Nova Zelândia e América do Sul.

Fósseis de Cardiodictyon catenulum revelam um animal com um tronco segmentado no qual se repetem arranjos de estruturas neurais conhecidas como gânglios. Isso contrasta fortemente com sua cabeça e cérebro, ambos sem evidências de segmentação.

A origem da cabeça do artrópode

De acordo com o estudo, a descoberta resolve um longo debate sobre a origem e a composição da cabeça dos artrópodes, o grupo mais rico em espécies do mundo no reino animal. Os artrópodes incluem insetos, crustáceos, aranhas e outros aracnídeos, bem como outras linhagens, como milípedes e centopeias.

Desde a década de 1880, os biólogos notaram a aparência distintamente segmentada do tronco típico dos artrópodes, extrapolando-a basicamente para a cabeça. Com isso, passou-se a supor que a cabeça é um prolongamento anterior de um tronco segmentado.

No entanto, Cardiodictyons mostram que a cabeça primitiva não era segmentada, nem seu cérebro. Isso sugere que o cérebro e o sistema nervoso central provavelmente evoluíram separadamente.

Por fim, os autores dizem que os princípios descritos em seu estudo provavelmente se aplicam a outras criaturas fora dos artrópodes e seus parentes imediatos. Isso, afirmam eles, tem implicações importantes ao comparar o sistema nervoso dos artrópodes com o dos vertebrados.

Leia também

você pode gostar também

Litígio Zero: saiba quem pode renegociar dívidas com o governo

O novo programa de renegociação de dívidas, lançado pelo governo federal, possibilitará que pessoas físicas e empresas obtenham descontos para quitar débitos junto à Receita Federal.

WhatsApp tem nova função de Comunidades no Brasil; veja como funciona

Entenda melhor o novo recurso do WhatsApp e aprenda como criar sua própria comunidade no mensageiro da Meta.

Estágio Caixa tem 6,8 mil vagas abertas; saiba como se inscrever

Estágio Caixa Econômica Federal é destinado a estudantes do ensino médio, técnico e superior. Veja como participar.

Pagamento em cheque cai em desuso e Pix pode ter influenciado

Pagamento por meio de cheque especial segue caindo. Redução chega a 94% em comparação com o ano de 1995.

Venda de férias está prevista na CLT; veja as regras e como funciona

Comum entre os trabalhadores, prática acontece em empresas, entretanto existem algumas regras e limites previstos na lei para a venda de férias.

IPTU atrasado gera multa para o contribuinte

A multa para o contribuinte que não paga o IPTU no prazo correto é acumulativa, e varia de acordo com o período de inadimplência do cidadão.