IBGE: expectativa de vida do brasileiro fica mais alta

Em dez anos, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, por meio de seus levantamentos, aponta que a população brasileira ganhou 2,4 anos de vida.

A esperança média de vida, que tem em conta a mortalidade ao longo da vida (por oposição à mortalidade infantil e juvenil, que incide apenas sobre crianças e recém-nascidos) é um indicador relevante para avaliar o estado de saúde de uma população. Globalmente, a expectativa de vida mais do que dobrou desde 1950, de uma média de 46 anos para mais de 72 anos em 2019.

No Brasil, a expectativa de vida média chegou a 77 anos em 2021, o que representa um aumento de dois meses em relação a 2020, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As informações são resultados das Tábuas Completas de Mortalidade 2021.

Segundo o IBGE o aumento na última década foi de dois anos e quatro meses, o que mantém uma tendência de crescimento ininterrupto desde 1940, quando a expectativa de vida era de 45 anos e cinco meses.

Segundo dados do instituto, no Brasil a vida será mais longa para as mulheres. No caso da população feminina, a expectativa de vida já é de 80,5 anos, enquanto no caso dos homens chega a 73 anos e seis meses.

O IBGE esclareceu que em suas projeções não levou em consideração as mortes ocorridas desde 2020 em decorrência da pandemia de covid-19.

Dados do Censo 2022

O órgão oficial explicou que os efeitos da pandemia na expectativa de vida dos brasileiros só poderão ser calculados quando os dados do Censo demográfico 2022 estiverem disponíveis.

O Censo que estava previsto para 2020, foi adiado devido à crise sanitária ocasionada pela pandemia de Covid-19. Com efeito, o Censo teve início em agosto deste ano, pelo que se estima que os dados comecem a estar disponíveis no final de 2023.

O Brasil, que nas últimas semanas registrou uma retomada nos casos de coronavírus, tem sido um dos países mais atingidos pela pandemia e tem até hoje pouco mais de 35 milhões de casos, com quase 690 mil mortes.

Tábuas de Mortalidade 2021

Também chamada de Tábua de Vida ou Tábua Atuarial, as Tábuas de Mortalidade são um cálculo resultado de uma projeção da mortalidade, que tem como pontos de partida dados do Censo Demográfico 2010.

Portanto, essa tabela não leva em consideração os efeitos da pandemia da Covid-19, iniciada em 2020 e ainda em curso, mas com um número de mortes reduzido em 2022, se comparado aos anos anteriores.

A publicação desse levantamento no Diário Oficial da União é feita pelo IBGE desde 1999, em cumprimento ao Decreto Presidencial nº 3.266, de 29 de novembro daquele ano. Os dados, divulgados nesse estudo, são calculados a partir de projeções populacionais, embasados nos dados dos censos demográficos.

Leia também

você pode gostar também

5G: Mais de 75 cidades brasileiras têm sinal autorizado pela Anatel

Nesta semana, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) liberou o sinal de 58 em mais de 75 cidades brasileiras, localizadas próximos de capitais. A expectativa é continuar ampliando o acesso à tecnologia.

Censo 2022: IBGE deve liberar os resultados em abril

Após uma sequência de adiamentos e entraves na realização do Censo 2022, o IBGE atualizou a previsão de divulgação dos resultados. As operações seguem ao longo de fevereiro.

Motocicletas ficarão isentas do IPVA 2023? Entenda a nova lei

No último ano, o projeto legislativo que prevê a isenção para motocicletas foi sancionado com força de lei. Porém, existem condições específicas de elegibilidade para a medida.

Bradesco tem mais de 40 vagas de emprego disponíveis; veja os cargos

Vagas de emprego disponíveis são destinadas a diversas áreas, em agências da instituição bancária, espalhadas por todo o país.

Detran fará mutirão de renovação da CNH; veja onde e como participar

A renovação da CNH deve ser feita periodicamente pelos motoristas. Caso não façam, estarão sujeitos ao pagamento de multa e a perda de sete pontos na carteira, por exemplo.

Vale-alimentação deve ter novas regras a partir de março de 2023

Vale-alimentação deixará de ser regulado pelo Banco Central, facilitando a entrada de novas empresas no mercado. Veja o que muda.