Salário dos brasileiros tem queda de 7,2%, segundo IBGE

As informações foram divulgadas em relação à Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua, mostrando queda no valor médio do salário neste último trimestre.

Na última quinta-feira (30), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou dados relacionados à Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) mostrando que o rendimento real comum recebido pelos profissionais brasileiros foi de R$ 2.613 no trimestre encerrado em maio.

Em porcentagens mais específicas, esse valor representa uma queda de 7,2% no pagamento em relação ao mesmo período analisado no ano passado. Neste ano, os dados identificaram quedas nos salários de trabalhadores formais, incluindo os funcionários do setor público e também os empregadores.

Entre os motivos para a diminuição estão os efeitos da inflação, assim como as modificações causadas na estrutura de rendimento dos trabalhadores em decorrência da crise imposta pela COVID-19.

Pesquisa também revelou crescimento no rendimento real habitual

Segundo os dados divulgados, a redução das remunerações médias não acompanhou o crescimento da massa de rendimento real habitual dos trabalhadores, com um aumento de 3,2% na comparação com o trimestre anterior e 3% na comparação anual. Em números específicos, essa massa corresponde atualmente a R$ 249,8 bilhões.

Sobretudo, a alteração é motivada pelo aumento de trabalhadores no mercado. De acordo com informações do Ministério do Trabalho divulgadas na última terça-feira (28), o Brasil gerou mais de 277 mil empregos com carteira assinada no mesmo período dessa análise, ainda no trimestre encerrado em maio.

Os cálculos realizados pelo IBGE mostram que a taxa de desemprego caiu para 10,5% nesse período, representando a menor taxa registrada desde 2016. Apesar disso, o país continua tendo mais de 11,3 milhões de desempregados atualmente.

Números específicos

A pesquisa revelou que o número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado foi de 35,6 milhões, o que representa um aumento de 2,8% em relação ao trimestre anterior e 12% na comparação anual.

Por outro lado, o número de trabalhadores sem carteira assinada neste setor foi o maior da análise, com crescimento de 23,6% na comparação anual.

Apesar disso, o número de trabalhadores autônomos permaneceu estável em relação ao último trimestre, mas registrou um aumento de 6,4% ao longo do ano. Da mesma forma, o número de trabalhadores domésticos também teve estabilidade na análise trimestral, mas a relação anual mostrou um aumento de 20,8%.

Como consequência, estima-se que a taxa de informalidade foi de 40,1% da população ocupada, o que corresponde a 39,1 milhões de trabalhadores informais, contra 40,2% no trimestre anterior. No geral, houve um crescimento no número de empregadores e também no número de empregados no setor público, com estabilização na análise anual.

Leia também

você pode gostar também

Voto em trânsito 2022: entenda o que isso significa e veja prazo para pedir

O voto em trânsito permite que o cidadão possa votar em outro município que não seja seu domicílio eleitoral. Prazo vai até o dia 18 de agosto.

Lei que prevê antecipação de feriados entra em vigor; veja regras

Medida Provisória que flexibiliza regras trabalhistas durante calamidade entrou em vigor nesta terça-feira (16/08).

Concurso Aeronáutica tem inscrições abertas para 225 vagas; veja Edital

Concurso Aeronáutica oferece oportunidades nas áreas de tráfego aéreo, meteorologia, eletromecânica, comunicação, entre outras.

CNH poderá ter nova regra decisiva da Contran em 2022; veja qual é

Nova regra para CNH cria um manual para o condutor e também desobriga curso teórico para algumas categorias.

Salário mínimo 2023: governo propõe valor para o ano que vem; veja qual é

Lei de Diretrizes Orçamentárias, sancionada por Jair Bolsonaro (PL), prevê salário mínimo de R$ 1.294 em 2023. Saiba os detalhes.

ITR 2022: prazo para declaração é aberto no país; quem precisa fazer?

Prazo para fazer a declaração do ITR 2022 junto à Receita Federal começou nesta segunda-feira, 15/08, e segue até 30 de setembro.