Auxílio permanente de R$ 1.200 será realmente liberado em 2022?

Auxílio permanente de R$ 1.200, caso aprovado, deverá beneficiar milhões de famílias em todo o país. Veja situação atual.

O Projeto de Lei (PL), que cria o auxílio permanente de R$ 1.200, foi apresentado na Câmara em 2020. De lá para cá, o texto já andou por algumas comissões da Câmara dos Deputados, avançando para a aprovação. Sendo assim, veja se o auxílio permanente de R$ 1.200 será liberado em 2022.

Vale ressaltar que a autoria do PL 2099/2020, do auxílio permanente de R$ 1.200, foi do então deputado Assis Carvalho (PT – PI). O parlamentar faleceu em 2020, mas o projeto continua válido, sendo analisado no Congresso.

Auxílio Permanente de R$ 1.200 será liberado em 2022

No momento, o projeto do auxílio permanente de R$ 1.200 já passou pela Comissão dos Direitos da Mulher (CMULHER) e está na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF). Lá, ele aguarda que um relator seja escolhido para que um parecer seja feito.

continua depois da publicidade

Caso haja sinal verde da CSSF, faltará passar pela Comissão de Finanças e Tributação (CFT) e pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC). Com os trabalhos sendo encerrados na Câmara, o texto vai para o Senado.

Com aprovação dos senadores, só restará a sanção presidencial. Como é possível observar, ainda faltam passos significantes para que o projeto se torne lei. Portanto, pode-se constatar que é improvável que o auxílio permanente de R$ 1.200 seja pago ainda em 2022.

Quem receberá o auxílio permanente de R$ 1.200

No caso de o auxílio permanente de R$ 1.200 ser aprovado e se tornar lei, o texto que propõe o benefício já destaca as exigências para receber o dinheiro. Veja quais regras devem ser cumpridas:

  • Ser mulher solteira e chefe de família;
  • Ter ao menos um filho ou dependente menor de idade;
  • Ser maior de 18 anos de idade;
  • Não possuir emprego com carteira assinada;
  • Estar inscrito no CadÚnico;
  • Não receber pagamentos da Previdência;
  • Não receber valores de benefícios assistenciais ou do seguro-desemprego;
  • Ter renda familiar per capita de até meio salário mínimo ou renda total de até três salários;
  • Se enquadrar como desempregada ou MEI ou contribuinte da Previdência Social ou trabalhadora informal/autônoma.

Leia também

você pode gostar também