Profissões extintas: confira 15 cargos que deixaram de existir

Conheça as 15 profissões que desapareceram do mercado de trabalho e só se mantêm vivas em livros ou documentários.

Com os constantes avanços tecnológicos, diversas profissões, antes bastante comuns no mercado, acabaram sendo extintas para sempre. Por isso, selecionamos 15 profissões extintas que seguramente fizeram parte do cotidiano de milhares de pessoas. Aproveite ao máximo a leitura.

Veja 15 profissões que não existem mais

1) Datilógrafo

Essa é uma das profissões extintas que muita gente se lembra com carinho. Os datilógrafos eram os responsáveis por datilografar cartas, documentos, ofícios e textos, até meados dos anos 1980. Foi aí quando surgiram os computadores, selando a aposentadoria definitiva das saudosas máquinas de datilografar.

2) Vendedor de enciclopédias

O Google de antigamente era um conjunto de livros grossos de capa dura que traziam informações sobre diversos assuntos. Conhecidos como enciclopédias, eram vendidas de porta em porta nas grandes cidades. Hoje em dia, resolveram migrar para os meios digitais.

3) Projecionista de cinema

Esse profissional era o responsável por operar um arcaico projetor de filmes nas salas de cinema de todo o Brasil, até os anos 1990. Como a tecnologia introduziu a projeção digital, que é muito mais prática e eficiente, a profissão sumiu por completo.

4) Acendedor de poste

Mais uma das profissões extintas. Antes da invenção da energia elétrica, os postes de iluminação noturna nas ruas eram acesos de forma manual, com o uso de velas e lampiões que funcionavam à base de querosene. Quanto risco.

5) Arrumador de pinos de boliche

Sempre que algum jogador derrubava todos os pinos em um jogo de boliche, o arrumador tinha que ir lá e colocá-los em pé novamente. E o pior: sempre com o olhar atento de um supervisor. Cansativo, não é? Ainda bem que essa profissão não existe mais.

6) Despertador humano

Em alguns países europeus, cerca de 200 anos atrás, esse profissional saía nas ruas, bem cedo, acordando as pessoas de uma maneira nada convencional: batendo em suas janelas ou soando apitos. Mas os despertadores e os celulares deram um jeito nisso.

7) Cortador de gelo

Mais uma das profissões extintas e que era bastante perigosa. O cortador de gelo era incumbido de retirar grandes blocos de gelo de lagos congelados, que eram usados para refrigerar produtos perecíveis. Com a invenção da geladeira, ele se tornou obsoleto.

8) Leitor de fábrica

Esse profissional era contratado por algumas fábricas para ficar lendo longos textos e poesias durante todo o expediente. O objetivo? Promover o maior entretenimento entre os trabalhadores e não deixar ninguém cair no sono, principalmente no turno da noite.

9) Mensageiro

Em períodos de guerra, a comunicação dependia exclusivamente dos mensageiros, que entregavam telegramas e comunicados importantes. Com o avanço da tecnologia, essa profissão também deixou de existir por completo.

10) Atores de rádio

Outra das profissões extintas que não poderiam fica de fora. Você sabia que antigamente (antes do advento da TV) as novelas eram transmitidas via rádio? É verdade. Apesar dessa profissão não existir mais, muitos atores das famosas radionovelas na época acabaram migrando para a televisão.

11) Radar humano

Para um profissional se tornar um radar humano, ele precisava ter apenas uma única habilidade: excelente audição. A sua função era detectar possíveis aeronaves inimigas somente através do som e com a ajuda de uma enorme geringonça conectada aos dois ouvidos. Esse método foi bastante usado durante a Primeira Guerra Mundial.

12) Caçador de ratos

É isso mesmo. Na Europa, esses profissionais trabalhavam caçando ratos com o objetivo de controlar a infestação de doenças provocadas por esses animais, como a peste bubônica, que dizimou milhares de vidas. Com o avanço da medicina e da tecnologia, essa função deixou de existir.

13) Operador de telégrafo

Com o telégrafo era possível enviar sinais para grandes distâncias por meio de cabos elétricos. Mas esse importante aparelho de comunicação foi cedendo o seu lugar para outros métodos mais eficazes, fazendo a profissão de operador de telégrafo sumir definitivamente.

14) Linotipista

Outra das profissões extintas é a de linotipista. Esse profissional era responsável por operar uma engenhoca que permitia a impressão de textos de jornais, folhetins e revistas. Com a chegada das modernas impressoras e dos computadores, essa profissão praticamente desapareceu do mercado.

15) Pregoeiro da cidade

Era o profissional que fazia anúncios públicos (geralmente em praças ou ruas de maior movimento) como ordens do tribunal, leis e decretos. Ou seja, a divulgação das novidades políticas era de responsabilidade do pregoeiro. Na Europa, mais precisamente no século XVII, era assim que as pessoas ficavam a par das decisões do governo ou do rei.

E aí, qual das profissões extintas que você não fazia mínima ideia que existia? Conta aí para a gente.

Leia também


você pode gostar também

Pagam bem: 5 profissões para quem não quer trabalhar com atendimento

Se você é uma pessoa introvertida e não gosta de lidar com público, conheça cinco profissões para quem não quer trabalhar com atendimento.

5 filmes da Netflix para se inspirar e ter motivação nos estudos

Se você anda meio sem inspiração para continuar estudando para as provas do concurso, conheça cinco filmes da Netflix que podem te motivar.

Concurso INSS: o que levar em conta na hora de estudar leis? Veja 5 dicas

Vai prestar o concurso INSS e precisa ser aprovado? Conheça cinco dicas incríveis sobre como estudar leis.

Conheça 7 tipos de aprendizagem e suas vantagens durante os estudos

Está começando a estudar para um concurso público? Conheça os sete tipos de aprendizagem e as vantagens de cada um deles.

Validade de concursos: como esse prazo afeta os concurseiros?

Entenda como funciona a validade de concursos públicos e saiba como esse prazo afeta a vida de todo concurseiro aprovado.

Estas 5 profissões antigas voltaram à moda no país e ganharam relevância

Conheça cinco profissões antigas que voltaram a ganhar espaço e relevância no mercado de trabalho brasileiro.