Comissão da Câmara aprova dedução do IR para novo grupo

O projeto prevê novo benefício fiscal no país e já foi aprovado na Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados.

Em tramitação na Câmara dos Deputados, novo projeto de lei prevê a dedução do Imposto de Renda em medicamentos de determinado grupo de brasileiros. A medida já foi aprovada na Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência na Casa Legislativa.

continua depois da publicidade

Ainda haverá análise em caráter conclusivo pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Caso receba aval positivo, será posteriomente colocada em votação no Senado Federal. Ou seja, o projeto ainda não se tornou lei no país.

Somente com a aprovação de ambas as Casas Legislativas é que a medida será encaminhada para sanção ou veto presidencial. Em nossa matéria, você confere o que pode mudar em relação ao benefício fiscal e quais serão as pessoas impactadas com a medida.

Lembrando que nós temos a missão de te deixar constantemente informar sobre assuntos que rodeiam o Brasil e o mundo. Além de pautas sobre economia, também cobrimos temas relacionados com educação, vagas de emprego, dicas de estudo e concursos públicos.

continua depois da publicidade

Quem poderá ter direito à dedução do IR? Entenda novo projeto

O projeto que foi aprovado na Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados prevê novo benefício fiscal no país. Conforme o texto, a ideia é de garantir dedução do IR no caso de medicamentos de uso contínuo ou de alto custo.

A medida, caso sancionada, valerá para o tratamento específico do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Com a dedução, os valores investidos nos remédios seriam descontados do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

continua depois da publicidade

De acordo com a Agência Câmara de Notícias, a proposta original previa apenas a dedução em medicamentos de uso contínuo. A relatora da medida, deputada Dayany Bittencourt (União-CE), apresentou um novo texto para estender o benefício no caso de remédios caros.

Para isso, os produtos devem custar, individualmente, mais do que 70% do salário-mínimo vigente ao mês. O projeto de lei ainda informa que a dedução ficará vigente por cinco anos, sendo condicionada à receita médica e nota fiscal em nome dos beneficiários da medida.

“A mudança busca desonerar os pacientes e suas famílias, tendo em vista que a aquisição de um remédio tão caro representa ônus financeiro significativo, que pode prejudicar a saúde financeira da família”, disse a relatora para a Agência Câmara de Notícias.

Em caráter conclusivo, o projeto de lei ainda será analisado por outras comissões da Câmara dos Deputados antes de ser encaminhado para deliberações junto ao Senado Federal.

continua depois da publicidade

Compartilhe essa notícia

Leia também

Concursos em sua
cidade