INSS: revisão da vida toda é confirmada no STF; veja o que muda

A decisão atinge aposentados que entraram na Justiça para pedir o recálculo do benefício com base em todas as contribuições feitas ao longo da vida. 

Por 6 votos a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (1°) reconhecer a chamada revisão de toda vida de aposentadorias pagas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

A decisão atinge aposentados que entraram na Justiça para pedir o recálculo do benefício com base em todas as contribuições feitas ao longo da vida.

Segundo entidades que atuam na área de direito previdenciário, a decisão atinge quem passou a receber o benefício entre novembro de 1999 e 12 de novembro de 2019 e possui contribuições anteriores a julho de 1994.

Na decisão, o STF reconheceu que o beneficiário pode optar pelo critério de cálculo que renda o maior valor mensal, cabendo ao aposentado avaliar se o cálculo de toda vida pode aumentar ou não o benefício.

Segundo o entendimento, a regra de transição que excluía as contribuições antecedentes a julho de 1994, quando o Plano Real foi implementado, pode ser afastada caso seja desvantajosa ao segurado.

Entenda

O processo julgado pelo STF trata de um recurso do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) contra decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que garantiu a um segurado do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) a possibilidade de revisão do benefício com base nas contribuições sobre o período anterior ao ano de 1994.

Durante a tramitação do processo, associações que defendem os aposentados pediram que as contribuições previdenciárias realizadas antes de julho de 1994 sejam consideradas no cálculo dos benefícios. Essas contribuições pararam de ser consideradas em decorrência da Reforma da Previdência de 1999, cujas regras de transição excluíam da conta os pagamentos antes do Plano Real.

Segundo as entidades, segurados do INSS tiveram redução do benefício em função da desconsideração dessas contribuições.

Responsável pela gestão do órgão, o governo federal sustentou no STF que a mudança agrava a situação fiscal do país, com impactos previstos de até R$ 46 bilhões aos cofres públicos pelos próximos 10 a 15 anos.

Em fevereiro deste ano, o plenário virtual do STF já tinha formado maioria de 6 votos a 5 a favor da revisão da vida toda. Em seguida, um pedido de destaque do ministro Nunes Marques suspendeu o julgamento virtual e a questão foi remetida ao plenário físico para julgamento nesta quinta-feira.

Leia também

você pode gostar também

Saque FGTS: novo grupo começa a receber nesta semana

Calendário 2023 da Caixa segue em andamento para trabalhadores que optarem pela modalidade aniversário. Saiba quem tem direito.

Bolsa Família de janeiro tem último repasse; veja quem recebe R$ 600

Pagamento do benefício do Bolsa Família é finalizado para o mês de janeiro. Cerca de 21,9 milhões de famílias foram contempladas com o valor mínimo de R$ 600.

Lucro FGTS: veja quem tem direito aos valores em 2023

O Lucro FGTS consiste em um repasse anual realizado pelo fundo, através da Caixa Econômica Federal. Porém, nem todos tem direito aos valores em 2023.

BPC pode ser solicitado por representante legal; veja quando

Entenda o que é o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e quando ele pode ser solicitado por um representante legal do idoso ou pessoa com deficiência.

Tarifa Social de Energia: veja quem tem direito ao desconto na conta de luz

Medida foi criada para proporcionar descontos na conta de luz de pessoas que se declararam em situação de baixa renda.

Calendário INSS: novo grupo de segurados recebe a parcela de janeiro

Pagamentos do calendário INSS continuam sendo feitos. Milhões de pessoas deverão receber os valores referentes ao mês de janeiro.