INSS: valor e teto do benefício serão reajustados em 2022; veja previsão

Valores devem ser modificados devido ao índice da inflação. Ministério da Economia fez previsão pela terceira vez.

O Ministério da Economia, pela quarta vez, divulgou uma projeção da inflação em 2021 e do salário mínimo para o ano que vem. Os valores devem afetar os segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Portanto, veja como ficam o piso e o teto dos benefícios do INSS em 2022, caso a previsão se cumpra.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é o responsável por aferir e divulgar o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). O número é utilizado para estabelecer o salário mínimo nacional. O valor final é divulgado somente no final de cada ano. No entanto, relatórios parciais saem a cada mês para que o governo possa fazer projeções.

Novos piso e teto do INSS

De acordo com a nova projeção realizada pelo Ministério da Economia, a inflação deve chegar ao patamar de 10,04% no final do ano. Assim, o salário mínimo, segundo determina a Constituição, deve ser elevado com o mesmo número.

Espera-se que o piso nacional vá de R$ 1.100,00 para R$ 1.210,44 no ano que vem. Consequentemente, os benéficos do INSS sofrem alterações, pois há a determinação de que o salário mínimo seja o mesmo que o piso de aposentados e pensionistas.

Além disso, o teto também mudará conforme o INPC. Caso a previsão se mantenha, o valor máximo sairá de R$ 6.433.57 para R$ 7.079,50.

Outros benefícios do INSS

Conforme prevê a lei, o INSS também é responsável por outros benefícios. Confira a lista logo a seguir:

  • Auxílio-doença;
  • Salário-maternidade;
  • Auxílio-reclusão;
  • Pensão por morte;
  • Benefício de Prestação Continuada (BPC);
  • Seguro-desemprego;
  • PIS/Pasep.

É válido frisar que o INPC de 10,04% é uma projeção realizada pelo Ministério da Economia, pois os números finais só serão divulgados no final do ano. A previsão leva em conta os valores entre janeiro de 2021 e dezembro de 2021. É a quarta vez que a equipe econômica revisa os números.

Leia também

você pode gostar também