Novo pente-fino do INSS corta 59% dos benefícios analisados; entenda

Mais de 95 mil segurados que estão com a perícia do pente-fino do INSS em atraso foram convocados novamente. Quem não fizer a análise pode perder o benefício.

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) fez uma nova análise a sua base de segurados e cortou vários auxílios-doença. O pente-fino do INSS já avaliou 50.191 concessões, das quais 59% foram encerradas. O percentual equivale a 29.639 benefícios.

A ideia por trás das avaliações é acabar com os pagamentos para trabalhadores que já retornaram suas atividades. Ou seja, para aqueles que, por alguma razão, precisaram ser afastados temporariamente do trabalho, mas já se recuperaram.

O pente-fino do INSS selecionou 170 mil beneficiários do auxílio-doença e está fazendo as notificações desde agosto. No dia 27 de setembro, o órgão publicou lista com mais de 95 mil segurados que ainda precisam agendar a perícia.

Como é feita a convocação do pente-fino do INSS

Os segurados são convocados por meio de cartas enviadas pelos Correios. A correspondência é mandada para o endereço que estiver registrado no sistema do Instituto. Os beneficiários também podem receber mensagem no caixa eletrônico do banco em que recebe o pagamento.

A partir do momento que a carta chega na casa do trabalhador, esse tem 30 dias para agendar o exame pericial do pente-fino do INSS. Caso a pessoa não faça o agendamento do prazo poderá ter o auxílio bloqueado e, posteriormente, cancelado.

Nos estados do Rio Grande do Sul e São Paulo, o governo convocou 11.816 e 10.735 segurados respectivamente. Quem já está na lista e ainda não cumpriu a perícia, tem até 11 de novembro para agendar a avaliação. Esse procedimento é feito pelo app Meu INSS ou pelo telefone 135.

Quem perder o auxílio pode entrar com recurso

Segundo a Associação Nacional dos Médicos Peritos da Previdência (ANMP), o número de cortes é inferior à reanálise que foi feita há dois anos. “Isso mostra que a ANMP estava certa quando criticou o novo pente-fino, em meio a uma pandemia”, disse o vice-presidente da ANMP, Francisco Eduardo Cardoso Alves.

Para ele, a maioria dos beneficiários conseguirão entrar com recurso e reaver os pagamentos. “Há vários critérios equivocados [neste pente-fino do INSS], como a convocação de beneficiários com idade avançada”, pontuou. O recurso deve ser interposto junto ao Conselho de Recursos da Previdência Social.

Leia também

você pode gostar também

Utilizamos cookies e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa política de privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições. Aceitar Ler mais