5 maneiras de tomar melhores decisões na vida, segundo a Ciência

Quer reduzir o número de decisões erradas que você toma? Então, fique atento a essas dicas apoiadas pela ciência.

Diariamente, as pessoas tomam inúmeras decisões. De fato, a neurociência da tomada de decisão é um campo de estudo interdisciplinar que investiga esse processo.

continua depois da publicidade

Historicamente, a pesquisa e a prática em liderança focavam em processos decisórios externos, como dados ambientais e relações interpessoais.

Atualmente, o foco tem se voltado para processos internos, ocorrendo no cérebro e na mente. De fato, as descobertas nesta área estão fornecendo dicas valiosas para que possamos tomar as melhores decisões na vida.

Dicas apoiadas pela ciência para tomar boas decisões

Leia também

1. Pense nas consequências

Pode parecer um conselho clichê, mas um estudo recente publicado na revista Psychological Science indica que visualizar uma escolha como uma série de eventos futuros pode auxiliar na previsão de suas consequências.

continua depois da publicidade

Esta técnica pode ser particularmente útil em situações específicas, como multitarefa, distração, estresse ou fadiga.

Os pesquisadores notaram que as pessoas frequentemente lutam para resistir a tentações imediatas em favor de benefícios a longo prazo, muitas vezes focando nas consequências diretas de suas ações.

Desse modo, a ciência sugere que antecipar os resultados futuros de uma ação pode facilitar a tomada de decisões mais acertadas.

2. Comece pelas decisões mais simples

Para começar, elimine as decisões menos significativas da sua rotina, como a roupa que vai usar ou a refeição que vai comer.

continua depois da publicidade

Se você planejar isso com semanas ou meses de antecedência, não perderá tempo decidindo entre elas.

Em um artigo da revista Science, os pesquisadores Ap Kigksterhuis, Maarten Bos, Loran Nordgen e Rick van Baaren discutem que decisões eficientes e deliberadas demandam recursos cognitivos significativos.

Eles apontam que, à medida que as decisões se tornam mais complexas, elas exercem uma pressão adicional sobre esses recursos, o que pode levar a uma deterioração na qualidade das escolhas.

Nesse sentido, os cientistas concluem que decisões altamente complexas podem esgotar nossa capacidade cognitiva.

continua depois da publicidade

3. Considere suas emoções

Pesquisas em neurociência revelam que emoções influenciam todas as decisões, que geralmente buscam recompensas. Decisões ruins podem surgir de disfunções cerebrais ou emoções negativas.

O equilíbrio entre lógica e emoção é crucial para boas escolhas. Danos ao córtex orbitofrontal, que liga emoções à razão, podem paralisar a tomada de decisões.

A hipótese do marcador somático de Damasio e estudos de Kahneman e Tversky mostram que o medo de perdas afeta mais nossas decisões do que a alegria de ganhos.

4. Medite antes de decidir

Um estudo de 2013 revelou que a meditação consciente de 15 minutos pode aprimorar a tomada de decisões.

Pesquisadores da Wharton School of Business, liderados por Andrew Hafenbrack, demonstraram que a atenção plena pode contrabalançar hábitos arraigados e promover escolhas mais lógicas, baseadas em informações atuais, resultando em benefícios futuros.

A prática da atenção plena pode permitir que áreas cerebrais como o estriado e o córtex pré-frontal avaliem melhor os custos de uma decisão, conduzindo a escolhas mais acertadas e evitando comportamentos compulsivos ou viciantes, favorecendo a saúde e o bem-estar a longo prazo.

5. Reflita e tome decisões pela manhã

Para mitigar a fadiga na tomada de decisões, é aconselhável realizar escolhas importantes pela manhã.

Estudos indicam que o descanso, como uma noite de sono ou uma soneca, pode revitalizar a capacidade cognitiva e melhorar a qualidade das decisões.

Os cientistas também sugerem que uma refeição pode influenciar positivamente neste processo, exemplificado por juízes que tomam decisões mais equilibradas quando não estão com fome.

Compartilhe esse artigo

Leia também

Concursos em sua
cidade