Revisão da Vida Toda está disponível no Meu INSS; saiba se vale a pena

A Revisão da Vida Toda já está disponível no Meu INSS, adicionada à ferramenta para dar tratamento específico à demanda. Entenda se o pedido vale a pena ou não e o que ele compreende.

A Revisão da Vida Toda foi aprovada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no final de 2022. A partir de então, milhares de brasileiros contemplados por valores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) tornaram-se aptos a solicitar a garantia. Contudo, antes de tomar uma decisão, é preciso tomar cuidado e descobrir se o processo vale a pena ou não.

Até o momento, vários advogados e especialistas já alertaram que fazer o pedido nem sempre é uma boa ideia, dependendo da situação do segurado. Assim, é importante avaliar a revisão com calma, entendendo todos os detalhes sobre a opção.

Revisão da Vida Toda no sistema Meu INSS: entenda mais

A opção da revisão foi adicionada ao serviço online do Meu INSS na última segunda-feira (9). Por meio dela, o órgão federal previdenciário concede a correção de forma administrativa, sem que o aposentado precise ir à Justiça.

Antes de mais nada, a Revisão da Vida Toda inclui em um cálculo de aposentadorias, pensões e auxílios todas as contribuições feitas antes de 1994, beneficiando aqueles que tinham contribuições maiores antes do início do Plano Real. Até então, só era possível conseguir estes valores por meio da Justiça.

Com exceção do salário-maternidade, é possível revisar todos os pagamentos previdenciários, como aposentadoria por idade, tempo de contribuição, especial, por invalidez e pensão por morte. Contudo, a correção atinge um público específico. Para fazer o pedido, também é necessário cumprir alguns requisitos:

  • O primeiro pagamento do auxílio, aposentadoria ou pensão deve ter sido feito há menos de 10 anos;
  • O beneficiário deve ter se aposentado de 29 de novembro de 1999 a 13 de novembro de 2019, por meio das regras anteriores à reforma da Previdência;
  • É preciso comprovar que os melhores salários foram anteriores a julho de 1994, época em que o Plano Real entrou em vigor;
  • O cálculo deve ser feito com um especialista, certificando-se de que a renda, considerando todos os salários de contribuição, será mais vantajosa.

Para ter direito à correção, é essencial que o segurado tenha contribuições relevantes, tanto em quantidade e valores, antes de julho de 1994, ou poucas delas depois desta época. Todas serão incluídas no cálculo do benefício, que pode inclusive ficar sem aplicação do divisor mínimo na aposentadoria.

Cuidados antes de solicitar a revisão

Antes de realizar este procedimento, após se certificar de que ele vale a pena, o beneficiário deve conferir a partir de quando os seus salários de contribuição contam em seu Cadastro Nacional de Informações Sociais (Cnis). É preciso requerer a inclusão de salários de contribuição a partir do primeiro trabalho, ou da primeira contribuição paga ao instituto.

Da mesma forma, é importante conferir se todos estes salários, do primeiro dia de vínculo empregatício até o mês anterior ao do protocolo a ser revisado, constam no período básico de cálculo, e se estão corretos.

Feito isso, será preciso verificar se o tempo de contribuição considerado pelo INSS está registrado no Cnis. Muitas vezes, existem certos documentos que só se encontram no processo administrativo. Também vale a pena se submeter ao recálculo, descobrindo se há proveito econômico da revisão ou não.

No momento, o pedido de revisão da vida toda ainda não está valendo no aplicativo. O INSS segue aguardando a publicação do acórdão, de forma que possam definir quais providências serão adotadas nas revisões. Depois do posicionamento do STF e da Procuradoria, será possível começar o processo. Mas vale lembrar que, para isso, é preciso procurar um advogado previdenciarista ou especialista na área.

Leia também

você pode gostar também

Caixa libera saque FGTS de até R$ 6,2 mil para ESTAS pessoas

A modalidade especial do saque FGTS que prevê o pagamento de até R$ 6,2 mil atende a um grupo específico. Além disso, possui critérios de elegibilidade para liberação dos valores vinculados ao fundo.

Projeto prevê bolsas de estudo para crianças e adolescentes

O Projeto de Lei Complementar em tramitação na Câmara dos Deputados pretende distribuir bolsas de estudo para crianças e adolescentes, mas existem regras específicas para o acesso.

Acompanhantes de PcD têm direito a desconto em passagens aéreas

Por enquanto, as pessoas com deficiência que não podem viajar sem acompanhante ainda dependem das decisões das empresas aéreas para os descontos nas passagens; veja detalhes.

Seguro-desemprego tem valores atualizados em 2023; saiba como pedir

Com o novo salário mínimo, os valores do seguro-desemprego foram atualizados para 2023. Veja aqui quais são eles e como pedir o benefício.

Aposentados do INSS têm direito a adicional de 25%; saiba em qual caso

Determinado grupo de aposentados do INSS tem direito a receber mensalmente o adicional de 25%. Saiba aqui se você tem esse direito e como solicitar.

Pensão por morte tem valor diferente da aposentadoria; veja as regras

Pagamentos de pensão por morte são direito de dependentes do trabalhador ou aposentado com vínculos com INSS.