Quer ter mais inteligência emocional? Saiba aplicar os pilares

A inteligência emocional é uma habilidade que pode ser desenvolvida através de práticas diversas relacionadas ao autoconhecimento, mas também ao contato empático com outros.

Inteligência emocional é um conceito criado pela Psicologia para designar a capacidade humana de reconhecer, avaliar, compreender e direcionar as emoções, sentimentos e reações. No entanto, essa habilidade também é estendida a outras pessoas, de modo que um indivíduo emocionalmente inteligente consiga trabalhar as próprias emoções, mas também a de terceiros.

Como uma habilidade, a inteligência emocional pode ser desenvolvida ao longo da vida. Segundo a psicóloga hospitalar Ketlin Monteiro, a inteligência emocional busca ampliar a concepção daquilo que é compreendido como inteligência, incluindo os aspectos emocionais nesse campo de investigação.

“A inteligência emocional corresponderia, então, a habilidade de perceber, nomear e expressar as emoções, bem como compreender e raciocinar com emoção, e regular a emoção”, explica a profissional. Sendo assim, estima-se que a inteligência emocional relaciona as interações entre emoções e cognições, tratando tanto a capacidade de percepção quanto de controle emocional de si mesmo e dos outros.

Por consequência, o domínio das emoções com a inteligência pode facilitar a construção de melhorias nos relacionamentos em diferentes campos da vida humana, pois o indivíduo se torna capaz de compreender o fluxo dos próprios sentimentos. Sendo assim, essa habilidade afeta positivamente os relacionamentos pessoais, mas também os profissionais.

Como desenvolver a inteligência emocional?

Desse modo, a base para a inteligência emocional é o autoconhecimento, pois permite que o indivíduo conheça, perceba, nomeie e saiba expressar as próprias emoções. Como consequência, consegue utilizar a inteligência emocional como um recurso pessoal nas relações sociais, criando mais empatia para reconhecer as emoções de outras pessoas.

De acordo com a psicóloga Ketlin Monteiro, existem alguns pilares que são identificados em pessoas emocionalmente inteligentes, apesar das diferenças culturais. “Habilidades como gerenciar emoções, favorecer a cooperação, efetuar decisões adequadas, desenvolver empatia, autoconhecimento, autoconfiança e persistência são competências presentes em pessoas com um bom desenvolvimento da inteligência emocional”, lista.

No ambiente profissional, por exemplo, a inteligência emocional contribui para a utilização das emoções de maneira mais produtiva, auxiliando na manutenção de bons relacionamentos com colegas de trabalho, mas também participando na resolução de conflitos.

Além disso, aspectos como a autoconsciência, o controle emocional e a motivação são fatores importantes para o desenvolvimento da inteligência emocional no ambiente de trabalho.

Sobretudo, a consciência dos próprios sentimentos e atitudes permite uma melhor compreensão das situações e circunstâncias que acontecem nos ambientes, tanto o profissional como o familiar. Portanto, o indivíduo consegue atuar como uma melhor ação, mas também pensar numa comunicação e intervenção efetiva.

Acima de tudo, agir com inteligência emocional significa que o indivíduo entende em primeiro lugar como aquela situação provoca uma emoção. Assim, consegue compreender o que leva àquele comportamento, ação ou medida.

Quando conseguimos fazer isso, a autoconsciência ampliada permite maior controle emocional, facilitando a compreensão de certas situações e a utilização dessas informações para obter benefícios mesmo durante crises.

Sobre isso, a psicóloga Ketlin Monteiro explica que a motivação é a capacidade de utilizar a energia necessária para a realização de um objetivo específico, sendo persistente até o final.

“O processo de motivação envolve alguns aspectos, como: buscar a motivação em si mesmo, exercer a autocrítica construtiva, traçar uma meta, buscar relacionamentos reciprocamente motivadores. Além disso tudo, é importante que se pratique uma comunicação eficaz e produtiva”, explica a profissional.

Leia também


você pode gostar também

7 alimentos que “roubam” a memória; o sexto você nem vai acreditar

Pesquisas recentes mostram que alguns alimentos pobres em nutrientes podem gerar deficiência nutricional no organismo e afetar as funções cerebrais a longo prazo.

7 filmes da Netflix que vão te deixar mais feliz e otimista em 2022

Selecionamos sete filmes da Netflix que podem te dar mais otimismo.

Área jurídica: confira 5 carreiras que têm ganhos acima de R$ 15 MIL

Tem afinidade com a promissora área jurídica? Então, conheça cinco rentáveis carreiras que pagam salários acima de R$ 15 mil por mês.

5 truques infalíveis para montar um plano de estudos realmente eficaz

Acabou de fazer a inscrição em um concurso público? Conheça cinco truques infalíveis para montar um plano de estudos eficaz.

5 dicas úteis para fazer um bom fichamento durante os estudos

Procura uma técnica de aprendizagem que seja eficiente? Fique por dentro de cinco dicas úteis sobre como fazer um bom fichamento durante os estudos.

Moeda de R$ 1, conhecida como Perna de Pau, vale até R$ 8 MIL

A proposta de R$ 8 mil por uma unidade desse modelo surpreendeu os colecionadores e usuários da internet.