Dinheiro esquecido em bancos: 2ª fase já tem prazo de início em 2022?

Com a greve dos servidores do Banco Central, a instituição não tem data prevista para iniciar a segunda fase das consultas, com cerca de R$ 4 bilhões disponíveis para saque.

Em decorrência da greve dos servidores do Banco Central, a segunda fase do Sistema de Valores a Receber segue sem data para iniciar. Anteriormente, o calendário divulgado pela instituição previa retorno no dia 2 de maio para a movimentação dos valores esquecidos em contas encerradas nos bancos brasileiros, mas ainda não há previsão de retorno.

Em nota, o Banco Central justificou o atraso a partir da greve dos servidores, afirmando que a ação prejudicou o cronograma do sistema. Nessa etapa, está previsto a movimentação de R$ 4 bilhões, com ampliação dos recursos remanescentes.

Para a segunda fase, estava previsto a inclusão dos valores referentes às cotas de capital e rateio de sobras líquidas dos beneficiários, assim como dos participantes das cooperativas de crédito. Além das contas correntes ou poupança encerradas com saldos disponíveis, os valores referentes a consórcios encerrados também estariam disponíveis para movimentação.

Atualização no Sistema de Valores a Receber

Desde o dia 17 de abril, o Sistema de Valores a Receber está passando por uma reformulação com uma série de atualizações para aperfeiçoar o serviço antes do começo da segunda fase.

Nesse sentido, as mudanças incluem a exclusão do sistema de agendamento, permitindo que os cidadãos realizem o resgate dos recursos a qualquer momento a partir da primeira consulta.

Além disso, a previsão é que o sistema tenha dados atualizados a partir de novas informações repassadas por instituições financeiras que não tenham participado de alguma das fases. Sendo assim, ficará disponível uma nova consulta aos brasileiros, de modo a conferir se há novos valores referentes a essas atualizações.

Ainda na primeira fase, o Banco Central adicionou fases de repescagem para saques dos recursos esquecidos nos bancos, porém somente dos valores específicos dessa etapa. Apesar disso, até o final de março, cerca de 2,85 milhões de brasileiros solicitaram o resgate de R$ 246 milhões.

Apesar do atraso no retorno das atividades, o Banco Central garante aos cidadãos que não há risco de perda desses valores a serem sacados. Sobretudo, o dinheiro permanecerá armazenado nas instituições financeiras até solicitação da devolução quando o programa iniciar a segunda fase.

Greve dos servidores

Na última terça-feira (10), os servidores do Banco Central decidiram continuar com a greve por tempo indeterminado. Desde abril, os profissionais se juntaram aos funcionários do INSS e do Ministério do Trabalho e Previdência.

Sobretudo, a demanda da classe envolve o reajuste salarial e reestruturação das carreiras dentro dos institutos públicos. Entretanto, a greve continua por ausência de resposta do Governo Federal diante das demandas.

Leia também

você pode gostar também