Método Robinson (EPL2R): veja como funciona e saiba aplicar nos estudos

Se você está precisando assimilar conteúdo de maneira mais clara e rápida, o Método Robinson (EPL2R) pode ser bastante útil. Saiba mais.

Para qualquer concurseiro ser aprovado em um certame, a sua capacidade de memorização dos assuntos cobrados pelo edital precisa ser satisfatória. Se você está com dificuldade de assimilação dos conteúdos exigidos, o método Robinson (EPL2R) pode ser de grande valia.

Continue a leitura e descubra como essa metodologia funciona e porque ela pode te deixar mais perto da aprovação no concurso dos sonhos.

O que é o método Robinson (EPL2R)?

Foto: montagem / Pixabay – Canva PRO.

Criado em 1940 pelo renomado psicólogo norte americano Francis Pleasant Robinson, o método Robinson (EPL2R) é uma técnica que faz com que o estudante consiga assimilar conteúdos de uma forma mais dinâmica e simples ao mesmo tempo.

Todo o processo tem o seu foco em momentos considerados fundamentais durante a crítica fase de aprendizagem. São cinco etapas essenciais para que o concurseiro consiga adquirir o máximo de conhecimento durante os estudos. Vamos a elas:

1) Explorar

Essa é a primeira fase do método Robinson (EPL2R). O estudante deve explorar ao máximo o seu objeto de estudo, ou seja, o assunto no qual pretende memorizar. Suponha que você esteja lendo um livro e queira entender o assunto principal.

É necessário fazer uma minuciosa análise da obra. Procure entender a mensagem que o autor passa para os leitores e qual é o principal objetivo dele em escrever aquele livro. Nesse primeiro contato, o concurseiro precisa ser curioso.

Ou seja, é necessário fazer uma pesquisa sobre o assunto discutido e buscar o maior número de informações a respeito dele. Em suma, explore o tema que pretende aprender.

2) Perguntar

A segunda etapa do método Robinson (EPL2R) consiste em listar todas as suas dúvidas sobre a fase anterior. Ou seja, depois de pesquisar sobre o tema, o concurseiro deve levantar perguntas (que sejam pertinentes) referentes a ele.

Você tem a liberdade de formular quantas perguntas quiser a respeito do assunto que foi pesquisado. Depois que as questões estiverem elaboradas, chegou a hora de levá-las para o seu professor do cursinho preparatório ou para um mentor de confiança.

Lembre-se de que o mais importante é não estudar passivamente, aceitando as informações que estão sendo consumidas. O concurseiro ativo, que deseja aprender de verdade, questiona tudo e mais um pouco.

3) Ler

Como o próprio nome diz, essa etapa do método Robinson (EPL2R) exige que o estudante leia e analise (com o máximo de atenção) o assunto que precisa ser apreendido. Mas não estamos falando em uma leitura superficial do conteúdo, mas sim de algo bem mais aprofundado.

A finalidade aqui é fazer o candidato criar um pensamento crítico sobre o tema que está sendo abordado e que precisa ser assimilado. Uma dica interessante é criar mapas mentais, associações ou esquemas que possam ser utilizados nas duas etapas seguintes.

4) Rememorar

Nessa fase, o concurseiro precisa relembrar tudo aquilo que foi estudado. Ou seja, ao final de cada mudança de capítulo ou sessão de estudo, é importante que seja feita uma boa revisão. Faça um pequeno resumo mental e anote tudo em uma folha de papel.

O objetivo aqui é fixar ainda mais o assunto em sua mente e identificar eventuais dúvidas que ainda não estejam totalmente esclarecidas e que precisam ser sanadas. Não deve existir nenhum tipo de incerteza sobre o conteúdo, entendeu?

Lembre-se de que as suas anotações devem ser com suas próprias palavras e precisam estar claras. Dê atenção especial para essa etapa, pois é nela que você vai identificar os temas que ainda está com dificuldade de assimilação.

5) Repassar

Finalmente, a última etapa do eficaz método Robinson (EPL2R) exige que o concurseiro analise tudo aquilo que foi estudado, sempre conferindo os seus resumos, anotações ou esquemas já feitos. Cheque se está tudo em ordem, combinado?

Agora, reúna um ou dois colegas que também tenham estudado o mesmo assunto e abra uma “roda” de discussão. Muitas vezes, podem aparecer outros questionamentos nos quais você ainda não havia se dado conta. Esse debate também ajuda a fixar o conteúdo em sua mente.

O mais importante dessa fase é ampliar a capacidade de argumentação do concurseiro e deixá-lo mais embasado sobre o assunto que acabou de estudar. Muitas vezes, a troca de ideias pode até mesmo levantar outros tópicos para a discussão. E tudo isso fortalece o aprendizado.

Esperamos que esse artigo tenha sanado suas dúvidas sobre o método Robinson (EPL2R). Se essa técnica for bem usada, a sua memorização será bem mais eficiente.

Leia também


você pode gostar também

Concurso INSS: veja 5 dicas infalíveis para aplicar durante os estudos

As dicas infalíveis para aplicar durante os estudos do concurso INSS permitem que o concurseiro tenha mais organização nas etapas de aprendizagem e revisão do conteúdo.

Veja 5 coisas que você não pode colocar no seu currículo em 2022

Está procurando emprego? Saiba o que não colocar no currículo em 2022 e aumente as chances de ser convocado para uma entrevista.

5 profissões que pagam bem aos que desejam ter jornada de 20 horas semanais

Se você sempre sonhou em ter um alto salário mas sem trabalhar demais, conheça cinco profissões que pagam bem e trabalham pouco.

Profissões de Humanas: veja os 5 cargos mais bem pagos do Brasil

Sonha em começar uma carreira que paga um alto salário? Conheça cinco profissões de Humanas que podem transformar isso em realidade.

Este cargo de TI pode obter salário de R$ 17 MIL no país; veja qual é

Está pensando em se tornar um profissional da área da tecnologia? Confira o cargo de TI que pode ter salário de R$ 17 mil por mês.

7 profissões mais bem pagas para quem quer trabalhar no exterior

Sonha em uma carreira profissional fora do Brasil? Conheça sete profissões para quem quer trabalhar no exterior e que pagam altos salários.